Aécio, Robério, Cláudia e Agnelo, o que importa de onde saiu a ordem de pegá-los?

0
243

Em rodas de conversas, dizem que Operação Fraternos pode ter sido uma armação dos aliados de Temer na Bahia para estocar os de Rui Costa

Levi Vasconcelos

Dizem nas rodas de conversas lá do belo e mal tratado Extremo Sul da Bahia que a Operação Fraterno, que afastou Robério Oliveira, prefeito de Eunápolis, Cláudia Oliveira, a mulher dele e também prefeita de Porto Seguro, e Agnelo Santos, cunhado, irmã de Cláudia, e prefeito de Cabrália, pode ter sido uma armação dos aliados de Temer na Bahia para estocar os de Rui Costa, já que o trio citado é do time do senador Otto Alencar.

E importa a gênese da questão? Bombas de direita ou de esquerda produzem os mesmos resultados, sangue. Ora bolas. Seria a velha tentativa de fazer fatos subalternos se sobreporem aos superiores. No comecinho do escândalo Joesley Batista, que atingiu em cheio Temer e Aécio Neves, os aliados de Aécio começaram a declamar o discurso de que o senador foi vítima de uma armadilha. Tasso Jereissati, senador cearense, colega de parlamento e de partido, bateu na mosca:

— Ora, se é verdade que foi armadilha, não importa. O fato é que Aécio foi e caiu.

É o caso lá. Robério, Cláudia e Agnelo não foram, estavam. E o caso está criado justamente no coração da terra máter do Brasil.
BahiaBa