Crise Nacional Leva Municípios do Extremo Sul Baiano a Cancelar Festividades Tradicionais‏

0
1056

por VOCEAKI.COM

As tradicionais festividades no Extremo Sul da Bahia neste ano de 2016 podem estar comprometidas. No último mês de abril pode-se observar diversos gestores municipais informando por meio de notas oficias o cancelamento de vários eventos renomados da região.

Eles alegaram que, decorrente à crise econômica que o país está enfrentando, forçou o Governo Federal a reduzir o Fundo de Participação dos Municípios – FPM e consequentemente por medidas preventivas, está fazendo com que vários gestores freiem gastos e direcionem os repasses para as necessidades básicas, como: saúde, educação e segurança.

Na cidade de Teixeira de Freitas, a Prefeitura Municipal Cancelou a edição 2016 da Micareta “Teixeira Folia”, evento que celebra o aniversário de emancipação do município. Segundo o Prefeito João Bosco, os valores que seriam investidos na festa, serão redirecionados para as necessidades essenciais do município.

A Bahia sofreu uma redução de R$ 33,4 milhões no repasse do FPM, recurso do Governo Federal, que está levando as cidades a adotarem medidas de manutenção e responsabilidade com a saúde financeira dos municípios.

PEDRAO008

Em Eunápolis, o Prefeito Neto Guerrieri, anunciou oficialmente o cancelamento do ‘Pedrão’ 2016. Segundo o gestor, o principal motivo é a crise econômica que está afetando o país, consequentemente, altera a receita do município. Em nota o prefeito de Eunápolis, comunicou que irá priorizar as obras previstas e em andamento na cidade, como: a conclusão da Unidade de Terapia Intensiva – UTI no Hospital Regional, além de estar mantendo os serviços básicos do município com recursos próprios e o pagamento dos funcionários antecipados.

Em Porto Seguro, Itamaraju e Jucuruçu os gestores municipais ainda não sinalizaram se haverá ou não os eventos festivos do ano de 2016. Mas, vale ressaltar que em 2013 e 2015 o Prefeito de Itamaraju, Manoel Pedro Rodrigues Soares, decidiu cancelar as festividades juninas e priorizar o funcionamento dos serviços essenciais, além do pagamento dos servidores municipais em dia.

“Entre fazer a festa e deixar de cumprir os compromissos assumidos com fornecedores, servidores municipais e serviços básicos, prefiro cancelar o São João. Mas, gostaria que a população compreendesse que o momento é difícil, nós não sabemos como pode ficar a coisa daqui por diante, a cada mês que passa a arrecadação tem diminuído mais e não podemos gastar nesse momento de insegurança econômica”, alegou o Prefeito de Itamaraju no ano de 2013 e 2015. Na época ele acrescentou que o corte no investimento com o São João visava garantir o funcionamento dos setores prioritários bem como a manutenção dos serviços essenciais.