Vacinação da influenza já em Salvador

0

Certo de que o atual cenário vivido em Salvador no enfrentamento à pandemia da Covid-19 exige a adoção de amplas medidas cada vez mais assertivas por parte dos gestores envolvidos na saúde, decidi apelar ao Governo Federal pela antecipação do início da campanha de vacinação contra gripe/influenza na cidade.

Os argumentos apresentados são práticos e trazem impactos operacionais e na rede assistencial. Primeiramente, para receber as doses contra o coronavírus e a influenza é necessário um intervalo mínimo de 14 dias entre elas. Atualmente, as equipes de imunização necessitam fazer o controle das especificidades das múltiplas marcas de imunizantes utilizados na estratégia da Covid-19, bem como, os prazos variados para aplicação das doses de reforço. Agregar mais um parâmetro onde o vacinado deve aguardar mais um período para iniciar a proteção para gripe, tornaria esse processo ainda mais complexo.

A antecipação do início da campanha contra a influenza assegura um melhor planejamento dessas ações. Para isso, iniciaríamos essa vacinação no sentido contrário à imunização da Covid-19, começando com os idosos de 60 a 74 anos. Isso nos daria mais tranquilidade no controle dos prazos.

Precisamos levar também em consideração que a campanha contra gripe requer uma mega estrutura, já que é aberta de uma única vez para um público alvo maior do que o disponibilizado pela Covid-19 até o momento. No ano passado, por exemplo, foram vacinados mais de 870 mil indivíduos na capital, sendo que cerca de 312 mil eram idosos. A antecipação da vacinação da gripe auxilia na montagem de um esquema mais robusto, uma vez que a imunização do coronavírus ainda acontece de maneira mais lenta e fracionada.

Outro impacto positivo dessa medida está ligado na redução da pressão sofrida pela rede de assistência. A partir de abril, o número de casos de gripe começa a crescer com maior intensidade na cidade. Somente em 2020, 135 episódios confirmados de influenza foram notificados, sendo que 09 pacientes evoluíram para óbito. Por isso é importante destacar que o crescimento de pacientes com sintomas gripais e com necessidade de suporte de leitos respiratórios trará mais instabilidade ao sistema público de saúde que já está à beira do colapso.

É preciso que a Gestão Federal seja sensível ao nosso apelo. Todos os anos a gripe atinge centenas de pessoas causando mortes, destruindo famílias. A antecipação vai favorecer o trabalho dos profissionais de saúde por diminuir o espiral de epidemia desses outros vírus e dar mais tranquilidade aos sistemas público e privados de saúde que já estão sobrecarregados. Vacinação contra influenza já!

Leo Prates, deputado estadual licenciado e secretário municipal da Saúde de Salvador

Artigo publicado na edição do Jornal A Tarde – 19 de fevereiro de 2021